Introdução Geral ao Cânone Tibetano: o Kangyur e o Tengyur

Informações muito extensivas podem ser encontradas nos sites especializados   THL (Tibetan Himalayan Library) e TBRC (Tibetan Buddhist Resource Center).
Eles são muito preciosos para estudos avançados e pesquisas em textos canônicos em numerosas coleções compiladas pelos mestres tibetanos da Índia e também compostos por eles que,  durante 12 séculos, preservaram e comentaram os preciosos ensinamentos do Buda. 

O propósito de nosso trabalho aqui é meramente fornecer uma introdução ao conteúdo do Cânone para aqueles que começaram seus estudos desses textos (clique nos links para fazer o download dos arquivos)

  • O Kangyur (Ka: a palavra; gyur: traduzida) é uma coleção de textos de ensinamentos e práticas associadas atribuídas diretamenteis ao Buda.
  • O Tengyur (Ten-chö: comentários; gyur: traduzidos) é uma coleção de comentários explicativos sobre os ensinamentos do Buda e práticas associadas, feitos por mestres indianos, traduzidos do Sânscrito para o Tibetano.
  • O Kangyur contém  1.118 textos e o Tengyur contém 3.378, fazendo o total de 4.496 textos.
  • Esses textos estão reunidos em Volumes: 103 para o Kangyur e 213 para o Tengyur, totalizando 316 volumes.
  • Alguns textos são extensos e ocupam mais de um volume, enquanto outros são curtos e um volume pode conter muitos textos.
  • Fisicamente, os volumes são numerados de 1 a 316. Eles também são marcados com uma letra do alfabeto Tibetano, equivalente ao nosso A, B, C etc. Mas, para o Kangyur essa marcação recomeça em cada coleção, assim, um volume terá o equivalente a muitos 'As' e 'Bs' . Para o Tengyura primeira coleção, sobre o Tantra, ocupa todo o alfabeto tibetano e, assim, são utilizadas as vogais 'i' e 'u', indo do Ka até o Tshu. então começa novamente a partir da Prajnaparamita até o fim dos volumes sendo marcados de Ka até Po. 
  • O conteúdo é classificado tematicamente em coleções gerais, como Os Sutras, Os Tantras, Os Mantras etc.
  • Essas coleções gerais são, por sua vez, divididas tematicamente em diferentes níveis de subdivisões até os textos propriamente ditos. Os textos são nomeados por um título e atribuídos a um autor.
  • Essa classificação pode ser usada para começar um estudo geral sobre os conteúdos do Cânone. Se alguém estiver procurando um texto em particular, ou uma coleção de textos de um autor específico, bastará identificar em que volume e em qual sequência esse texto está classificado, como fizemos recentemente para os textos de Atisha.


O mesmo se aplica se alguém procura o texto original de um sutra famoso que já foi traduzido, como, por exemplo, o Sutra do Lotus, o Avatamsaka, o Lankavatara, o Lilitavistara, os textos de  Asanga, Shantideva, Nagarjuna etc.

Para facilitar essa pesquisa, um índice é necessário. Em Tibetano, o últiimo volume (Kartchado Kangyur e do Tengyur preenche esse propósito. Nossas ferramentas modernas, como  tabelas e outros meios eletrônicos facilitam essa pesquisa.

Para nossa apresentação introdutória, feizemos tabelas mais desenvolvidas ou menos desenvolvidas:

  1. Um  Índice Muito Curto,  com 01 página, mostrando as principais coleções como elas estão organizadas fisicamente ou tematicamente; 
  2. Um Índice Curto,  com 2 páginas, contendo as principais subdivisões das coleções;
  3. Um Índice Longo, com 8 páginas, que contém todas as subdivisões temáticas até o nível dos textos;
  4. Um Índice Completo,  contendo os nomes de todos os textos. São 80 páginas para o Kangyur (a primeira parte do Kangyur, Os Sutras.. A segunda parte Os Tantras, e o índice do Tengyur está em preparação).
  5. Uma Lista Extensiva contém não apenas os títulos dos textos, mas, os nomes dos autores e tradutores, a página e a linha do volume onde pode ser encontrado. Esse documento tem cerca de 300 páginas para o Kangyur  (trabalho feito) e 700 páginas para o Tengyur (trabalho em andamento!).

Para ilustrar a classificações e as subdivisões em nossas tabelas:

  • As colunas à esquerta indicam o nível da subdivisão, e vai de I,II,III and 1],2],3] na primeira coluna;  1),2),3) na segunda; A,B,C na terceira, 1-,2-,3- na coluna em amarelo; a,b,c /1,2,3,/ 1º,2º,3º  e 1ª,2ª,3ª na última coluna.
  • A primeira coluna à direita dos títulos contém o número do texto em ordem progressiva 1,2,3,4 até 4496. Os principais títulos de classificação têm os números dos textos que eles contêm, escritos com orientação vertical. Os títulos da classificação que precedem imediatamente o número do texto que eles contêm, estão escritos com um sinal de parênteses 15) para distingui-los do número do texto.
  • A segunda coluna nos dá a referência dos volumes. Os volumes estão classificados por número e por letras do alfabeto Tibetano. Quando o volume contem muitos textos eles são mencionados por seu número sequencial 1, 2, 3 etc.

A figura abaixo ilustra esses principais elementos das tabelas.

Quadro Kangyur e Tengyur

 Imprimir  E-mail