11 - Sangcho Monlam - Estâncias 14 a 20

Buddha meditating BodhiComentários sobre as Estância 14.a 20. Comentários adicionais: discussão sobre os termos vida sagrada, vida de renúncia e vida monástica. 

O texto disponibilizado logo abaixo é o resultado da tradução do texto original em tibetano diretamente para o português e comparada com outras quatro versões em inglês feitas por grandes mestres e estudiosos. 

 

Clique no player abaixo para ouvir diretamente no site ou no link para fazer o download do arquivo.
Tradução: Lama Pelmo

 

"Sang Chö Monlam"
A Rainha das Preces das Aspirações da Nobre Conduta Excelente 

Homenagem ao nobre e jovem Manjushiri!

[1] Rendo homenagem com corpo, palavra e mente sincera
A todos os Tataghatas, leões entre os homens, nos três tempos
e em todos os mundos, tantos quanto existem nas dez direções.

[2] Pela força da prece da Conduta Excelente,
todos os Vencedores se manifestam em minha mente.
Rendo perfeitamente homenagem a todos os Vencedores,
prosternando-me completamente com corpos tão numerosos
quanto as partículas dos domínios.

[3] Sobre cada partícula, residem tantos Budas quantas são as são as partículas.
Os Budas residem em meio a Bodhisatvas.
Assim eu imagino os domínios, sem exceção,
preenchidos por todos os Vencedores.

[4] Com cada som de um oceano de melodias
e um oceano de preces inexauríveis,
eu pronuncio as qualidades de todos os Vencedores
e louvo a todos os Sugatas.

[5] Aos Vencedores faço oferendas de
maravilhosas flores e guirlandas,
sublimes músicas, bálsamos e para-sóis,
sublimes lamparinas e incensos refinados.

[6] Aos Vencedores faço oferendas de
finas vestes, perfumes maravilhosos,
uma montanha tão alta quanto o Monte Meru de incenso em pó.
Todas dispostas de maneira particularmente excepcional.

[7] Eu faço oferendas vastas e insuperáveis
a todos os Vencedores.
Com a força da fé na Conduta excelente,
rendo homenagem e faço oferendas a todos os Vencedores.

[8] Confesso cada uma de todas as ações negativas
cometidas por mim, com corpo, palavra e mente
sob o poder do desejo, raiva e ignorância.

[9] Regozijo-me de todo o mérito
dos vencedores das dez direções, dos bodhisattvas,
dos shravakas que estudam e dos que estão além do estudo,
assim como de todos os seres. 

[10] A todos aqueles que são como tochas dos mundos das dez direções,
bodhisattvas que progressivamente atingiram o estado do buda sem apego;
a todos esses protetores, eu suplico para girar a Roda Insuperável.

[11] Para o bem e felicidade de todos os seres
Eu rogo, com as mãos perfeitametne juntas,
A todos aqueles que querem mostrar o além do sofrimento
que permaneçam por kalpas [tão numerosos] quantas são as partículas dos campos.

[12] Qualquer mérito, por menor que seja, que eu tenha acumulado
por homenagens, oferendas, confissão, regozijo, pedido e prece,
eu dedico todos ao Despertar.

[13] Faço oferendas aos budas do passado e àqueles nos mundos das dez direções;
e àqueles que ainda que não vieram, que realizem sua aspiração rapidamente,
seguindo progressivamente (o caminho do) Despertar e tornem-se Budas.

[14] Possam os campos das dez direções, tantos quantos sejam
tornarem-se vastos e puros.
Possam ser completamente preenchidos por budas, bodhisattvas, vencedores,
que foram à frente da poderosa árvore do despertar.

[15] Possam todos os seres das dez direções, tantos quantos sejam
Serem sempre isentos de doenças e felizes.
Possam os objetivos de todos os seres ser de acordo com o Dharma
E suas aspirações se realizarem.

[16] Que eu possa lembrar de minhas vidas em todos os meus nascimentos e que a minha conduta seja a conduta do despertar;
Que eu possa, durante minhas vidas, na morte, na transferência e renascimento, ser ordenado.

[17] Que eu possa aprender seguindo todos os vencedores.
Que a conduta excelente seja perfeita e a conduta na disciplina ética seja completamente imaculada, sempre íntegra e sem defeito.

[18] Que eu possa ensinar o Dharma na língua de todos os seres, tantos quanto sejam: dos deuses, nagas, yakshas, kumbhandas e humanos.

[19] Assim, que eu possa me aplicar perfeitamente na prática das paramitas e jamais esquecer a bodhicitta.
Que possam ser purificados todos os obscurecimentos e negatividades.

[20] Que eu possa ser liberado das atividades dos demônios do karma e das paixões.
Em todas as transmigrassões nos mundos, que eu possa ser desapegado como a água ao lótus e agir desempedido como o sol e a lua no céu.

 

Tags: Shangpa Monlam, Sangcho Monlam

 Imprimir  E-mail