Taranatha – A Essência da Ambrosia 04 – Contemplação 5

 


Os ensinamentos de hoje tiveram início com a apresentação do Shangpa Gurtso, que é a coleção da biografia e dos cantos de realização dos mestres da Linhagem Shangpa. Hoje foi apresentada a biografia e um canto de realização de Sukhasiddhi.
Na sequência, houve um momento de perguntas e respostas que explorou aspectos da presença feminina na Linhagem Shangpa, bem como no budismo em geral nos dias de hoje.
Ao final, tivemos ensinamentos e comentários sobre a Contemplação 5, que trata da Impermanência.

 

 

 


Contemplação 5

Você Certamente Morrerá Logo

Um sutra diz:

Quem quer que tenha vivido e que viverá,
Deve descartar este corpo e partir.
Com medo disso, o sábio se torna realizado.
Ele vem para permanecer no dharma
E definitivamente treinar nele.

Não importa onde eu viva, eu não posso evitar a morte. Não importa quem seja meu amigo, não posso evitar a morte. Todos os seres transitórios que viveram na face da terra morreram. Todos os que viverão no futuro também morrerão. Da mesma forma, entre aqueles que vivem no presente, não há um que escapará da morte. Desde o tempo do meu nascimento até o dia de hoje quantos próximos a mim já morreram? Quantos que eram estranhos ou inimigos morreram? Não há razão em acreditar que eu permanecerei enquanto todos eles morreram.

Ninguém está livre da morte. Mais especificamente, ninguém é capaz de prolongar a vida. Começando do nascimento, sem parar nem por um momento, minha vida vem diminuindo, de forma que a morte se aproxima. Cada mês que se passa ela fica mais perto. Cada ano que passa ela fica mais perto ainda. Eu me aproximo rapidamente da morte.

Agora, enquanto sou jovem, quando deveria estar ganhando experiência com a prática espiritual, algumas vezes eu penso, “Eu ainda não sou velho; se eu fizer gradualmente, tudo bem.” Nesta vida curta, ser ocioso assim não funciona! Por exemplo, se eu não praticar o dharma quando novo, então aos sessenta anos a vida terá passado. Mesmo se depois de uma idade avançada eu decidir praticar o dharma, porque o poder do meu corpo e mente estão deficientes, a experiência não vai surgir. Metade do tempo restante será gasto dormindo. Seguindo esta mesma idéia ,eu desperdiçarei minha vida humana ainda com coisas pouco significativas como preparar comida, andar por aí, distrações, e assim por diante. Mesmo olhando sob a perspectiva de alguém que tem grande motivação e perseverança, todo o tempo excedente disponível para praticar o dharma e adquirir experiência não será muito longo.

Eu devo rapidamente experimentar verdade, que tem sido vivenciada por pessoas sagradas, esforçando-me a cada momento disponível. Nesta vida curta eu nunca usarei a abordagem de adiar a prática espiritual para o futuro por indolência ou protelação!

É muito importante meditar dessa forma repetidamente, pensando nas razões da prática.