Bodhisatvacharyavatara 33 – Capítulo 5: A Vigilância

 

Os ensinamentos de hoje tiveram início com o Mahasaropama Sutra – O Grande Discurso sobre o Símile do Cerne. Na sequência foram retomados os comentários sobre o Bodhisatvacharyavatara – Capítulo 5: A Vigilância.

 

[59] Se, quando o meu corpo é despedaçado e arrastado de um lado para o outro pelos abutres ávidos de carne, tu não te irritas, oh minha mente, porque hás de acarinhá-lo tanto agora?

[60] Porque velas por este corpo, oh minha mente, como se ele fosse o teu “eu”? E se ele é distinto de ti, porque te ralas com o seu desaparecimento?

[61] Insensato! Se não consideras como o teu “eu”” um boneco de madeira, que é coisa limpa, porque mimas uma máquina composta de elementos impuros e destinada à podridão?

[62-63] Começa, em pensamento, por retirar o invólucro de pele e, com o bisturi da análise, separa a carne da sua armação de ossos. Parte também os ossos e vê a medula que contêm. Agora pergunta a ti mesmo: que há aí de essencial?

[64] Se olhares com todo o cuidado, nada verás de essencial! Então? Porque teimas ainda em proteger o teu corpo?

Deixe uma resposta